terça-feira, março 20, 2007

A imaginação no poder: fotocópias...porque não ervas?

"Ai que a perua agora descobriu que os profs têm horror ao vazio do desemprego e aí vai disto, toca de ter mais ideias. A perua descobriu como ir buscar complemento de orçamento para as escolinhas.Ai que qualquer dia estamos a vender fotocópias à comunidade nas horas de escola. Ele até que é capaz de ser divertido, mas oops... e se tenho que vender suficientes para cobrir o meu salário? ai ai... bem, em certas regiões é mesmo melhor pensar em vender outras coisas, umas alfaias agrícolas, por exemplo, peixe, nas localidades ribeirinhas. Nas zonas mais urbanas seria melhor uma estratégia comercial mais agressiva, os produtos teriam que ser facas, armas de fogo e porque não umas ervinhas (para chá, claro.....) apesar da concorrência até que se vendiam bem"-pensa ele, prof com 25 anos de carreira,enquanto arranca nervosamente alguns dos poucos cabelos que ainda tem...

Este professor está às portas de uma psicose. Claro que nunca a ministra da educação teve ou terá uma ideia assim, transformar as escolinhas em feiras, depois de todo o trabalho que teve para que elas exteriormente tivessem o ar arrumadinho que agora têm , tudo na aulinha, a feirinha dentro das salinhas, está bem, com agressões e tudo, mas nada de feiras no pátio...
Oh oh, mas até que pode, fazendo as vendinhas dentro de portas, a comunidade alegremente entrando e exigindo serviço a tempo e horas, os professores a quererem fotocópias para testes e a tentarem passar à frente... "Prá fila como toda a gente!"-dirá a comunidade.... Pois, até que é possível, sim, fará bem aos profs , amocharem uma vez mais para saberem que só existem para servir a comunidade..., sim é possível esta ideia passar pelo cérebro da ministra...

Querem ver que aquele prof não está a alucinar e é mesmo capaz de ter razão?

2 comentários:

Maria Lisboa disse...

E na minha escola que até há uma grande comunidade de ciganos! E como os putos faltam com alguma frequência, para irem com os pais fazer a ronda das feiras, até era "um dois em um" abrir umas salitas para que possam fazer o negócio (com pagamento de uma percentagem à escola... claro). Juntava-se o útil ao agradável: "uma feira de carcavelos dentro de portas... e os putos livres da falta de assiduidade e do eventual abandono escolar que os assombra. Ah!... e os professores também beneficiavam com isto... para além de compras a preço de "boutique alcofa" inda viam as penalizações pelo abando diminuídas. A miluca, afinal, tem "pensamentos de Marquês de Pombal"!!!

melissa officinalis disse...

Pois é boa ideia e que dizer da quantidade enorme de salas que à noite estão fechadas às escuras sem utilidade nenhuma nas escolas de ensino diurno? Há que aproveitar também as potencialidades da noite... :-)