sábado, julho 22, 2006

Ofensas às instituições I

Senhores juristas: gostaria que me esclarecessem sobre um problema teórico-prático que me vem incomodando de há alguns anos para cá. Quando verifico que o Estado napoleónico que temos permite, acarinha, dá ninho e abrigo ao mais descarado clientelismo, aos mais despudorados saneamentos políticos, alguns mascarados de expressões como "mau feitio", "linguagem inadequada", que vão acontecendo sem anúncios mediáticos, em muitas instituições públicas dotadas de autonomia (ou não), sinto-me nauseada, e o chá de cidreira é ineficiente (para além de perigoso, podem ir aos IP e lá vou eu,...com 1/3 do salário , vender missangas para completar o rendimento). (1)
O problema jurídico é então o seguinte: um cidadão que não seja directamente prejudicado por aquelas situações tem que suportar, assistir, impávido e sereno? Não têm todos estes abusos a ver com a minha esfera jurídica? É que eu acho que têm, são situações em que a própria vítima está sujeita a esperar anos infindos pela justiça que vem tarde e se não impõe ao Estado e não responsabiliza individualmente o funcionário que prevaricou, que prejudicou com má fé, as indemnizações são pagas tarde, muito tarde, e financiadas pelo contribuinte, não pelo funcionário que as originou, as pessoas prejudicadas não são reinseridas, as beneficiadas não são demitidas, portanto o crime compensa sempre. Por outro lado, a regra da não consignação das finanças públicas, impede o cidadão de saber que é o seu dinheiro (dos impostos que pagou) que está ali, exactamente ali, a ser malbaratado, ou seja, deixa o cidadão incapacitado de se queixar directamente ao tribunal quando não é vítima e não se encontre directamente envolvido. Claro que o legislador pensou bem, quem fiscaliza isso do dinheiro é o Tribunal de Contas, quem fiscaliza politicamente é a Assembleia, o cidadão vota nos deputados para o fazerem, mas… e quando o não fazem? A quem me queixo, quando o próprio STA considera algumas matérias "controversas" e se demite de legislar: aí, precisamente aí, porque são controversas, deveria o STA fazer lei, pôr ordem... mas quem sou eu? Não sou jurista, sou, como muitos outros, apenas um reles cidadão… (aliás, como me atrevo a dizer estas coisas, já viram isto, agora qualquer um diz coisas na blogoesfera, vamos mas é acabar com isto, encerram-se os servidores e já está, "as pessoas têm que se responsabilizar pelo que dizem" !!!!!!!!!!!!!)
Meus senhores, o clientelismo grassando na mais descarada impunidade, essa é que é a grande ofensa à dignidade das instituições, a meu ver, daí a náusea!

(1) Por falar disso, esclareço, não vá a imaginação de algumas pessoas interpretar à letra, dada a coincidência de datas dos acontecimentos nacionais e internacionais, que o post anterior se refere ao conflito israelo-árabe, não é para chamar camelo a ninguém, claro está. É que eu já vejo mal e enfiar missangas é cada vez mais difícil a partir de certa idade...

5 comentários:

Sylvain disse...

It is ineed funny what the Altavista translator made out of you text
"Gentlemen jurists: he would like that they clarified me on a theoretician-practical problem that he comes me bothering of has some years for here. When I verify that the napoleónico State that we have allows, acarinha, gives to nest and shelter to the most brazen clientelismo, to the most despudorados sanitations politicians, some masked ones of expressions as "bad shape", "inadequate language", that they go happening without mediáticos announcements, in many public institutions endowed with autonomy (or not), I feel myself nauseated, and the cidreira tea is inefficient (for beyond dangerous, they can go to the IP and there I go eu... with 1/3 of the wage, to vender missangas to complete the income). (1)"

Sylvain disse...

A little better, at least now I can understand the sense, is the translation of dictionary .com :
"Gentlemen jurists: he would like that they clarified me on the theoretician-practical problem that he eats me bothering of has adds years will be here. When I verify that the napoleónico State that we have allows, acarinha, gives you nest and to shelter you the most brazen clientelismo, you the most despudorados sanitations politicians, adds masked ones of expressions "bad shape", "inadequate language", that they go happening without mediáticos announcements, in many public institutions endowed with autonomy (or not), I feel myself nauseated, and the cidreira tea is inefficient (dangerous will be beyond, they can go you the IP and there I go I... with 1/3 of the wage, you vender missangas you completes the income). (1)"

Sylvain disse...

Gentlemen jurists: he would like that they clarified me on the theoretician-practical problem that he eats me bothering of has adds years will be here. When I verify that the napoleónico State that we have allows, acarinha, gives you nest and to shelter you the most brazen clientelismo, you the most despudorados sanitations politicians, adds masked ones of expressions "bad shape", "inadequate language", that they go happening without mediáticos announcements, in many public institutions endowed with autonomy (or not), I feel myself nauseated, and the cidreira tea is inefficient (dangerous will be beyond, they can go you the IP and there I go I... with 1/3 of the wage, you vender missangas you completes the income). (1)

Anónimo disse...

I'm impressed with your site, very nice graphics!
»

Anónimo disse...

Greets to the webmaster of this wonderful site. Keep working. Thank you.
»